HTCinside


Neuromancer – O Poderoso Chefão do Cyberpunk

Então, enquanto eu estava sentado em um brainstorming (procrastinando… verificando as últimas Bônus de cassino Intertops ) sobre o que eu deveria escrever para o meu próximo artigo, de repente me ocorreu que eu havia terminado de ler “Neuromancer” de William Gibson apenas alguns dias atrás. Este era um fato que eu tinha esquecido completamente até cerca de dois minutos atrás, o que eu acho que resume o quanto o livro me impressionou de forma agradável e concisa.

Ainda assim, para o seu bem (e minha consciência), vamos detalhar um pouco melhor do que isso. Então, “Neuromancer” foi um golpe de gênio à frente de seu tempo, ou é uma peça supervalorizada de mediocridade?

Conteúdo

O conto contado

Nosso protagonista é Case. No momento em que o conhecemos, ele teve todo um arco de personagem de se tornar um profissional VR Hackerman, criminoso de carreira, e depois trair seus empregadores, que se vingaram dele danificando permanentemente seus fios VR Spinal ou algo assim. Ele vagueia pelo mundo por um tempo, viajando de clínica em clínica, procurando um médico que possa curá-lo. Tragicamente, cada médico retorna o mesmo prognóstico: o caso não pode ser corrigido.

Então, Case é consertado quando um homem gazilionário de terno chamado Armitage recruta Case de sua vida bêbada e drogada nas favelas, com a condição de que Case faça um trabalho especial para ele. Além disso, o zilionário implanta no corpo de Case sacos venenosos especiais que desfazem a cirurgia que consertou Case se ele não obtiver o anticorpo especial que só o homem de terno conhece. Basicamente, se Case não fizer o trabalho, Case volta à estaca zero em relação à lesão.

Juntando-se a Case nesta missão está Molly, um músculo cibernético contratado com facas retráteis sob a ponta dos dedos. Case e Molly devem trabalhar juntos para fazer o trabalho, invadindo a casa de uma das famílias mais enervantes, mas influentes, enquanto ao mesmo tempo trabalham exatamente para quem estão trabalhando em primeiro lugar…

O que eu gostei

Acho que minha parte favorita de “Neuromancer” deve ser a descrição de William Gibson. Suas ideias e sabor estão espalhados pelas páginas de uma maneira que realmente define o tom e coloca o leitor no clima sombrio e cyberpunk. Meu exemplo favorito deve ser a linha de abertura do livro: “O céu acima do porto era da cor da televisão, sintonizado em um canal morto”.

Essa é uma descrição tão boa. Isso faz meu escritor interior gritar. William Gibson poderia ter descrito o céu como nublado e cinza, mas não o fez. Sua prosa descritiva é incrivelmente imersiva e realmente define a cena de uma maneira que poucos escritores conseguem fazer.

Você também pode dizer a idade deste livro por causa de como William Gibson descreve certas tecnologias também. Ele descreve certa tecnologia que quase se tornou mainstream hoje em dia, mas é claro que as palavras que usamos para descrevê-las hoje não existiam nos velhos tempos de 1984, quando ele escreveu o livro.

O melhor exemplo é a Realidade Virtual. Para fazer sua técnica especial de hacking, Case precisa colocar um capacete especial com telas que o carregam em um mundo virtual que mais parece uma viagem de ácido do que um videogame. A coisa mais próxima que existia na época teria sido o “Virtual Boy” da Nintendo, que não seria lançado até meados dos anos noventa e foi um fracasso completo. Portanto, o fato de Willian Gibson, uma década antes, conseguir descrever com precisão a tecnologia e estar apenas marginalmente fora do negócio real é incrível. A realidade virtual da vida real, sem dúvida, deve sua inspiração a William Gibson e outros autores de ficção científica que sonharam com a tecnologia que agora é nossa realidade.

Agora, William Gibson nãoinventaro gênero cyberpunk. Esse crédito na verdade pertence a Bruce Bethke, que inventou o termo em seu conto de 1983 intitulado “Cyberpunk”, que foi publicado em Amazing Science-Fiction Stories. O termo foi assim cunhado e aplicado a histórias como “Neuromante”. Ainda assim, William Gibson é talvez um dos escritores mais importantes que popularizaram o gênero, e muitos dos tropos que aderiram ao gênero se originaram dessa história.

Pessoas com braços robóticos? Verificar. Neon assina tudo? Verificar. Uma visão geralmente deprimente do futuro da perspectiva de um protagonista alcoólatra e miserável? Dupla verificação.

Há também vários elementos muito horríveis da construção do mundo que são muito legais e extremamente sombrios. O mais sombrio provavelmente são os bordéis com mulheres que usam chips cerebrais para desligar sua consciência. Basicamente, um cliente pode alugar uma mulher por uma noite com a personalidade que quiser, e a prostituta não precisa experimentar nada disso porque sua mente é substituída durante a “sessão”. O cliente vai embora, a prostituta “acorda” e é paga. É sombrio, sombrio e definitivamente cyberpunk. Acho que é a falta de detalhes como esses que fazem as histórias cyberpunk mais recentes, como o novo videogame “Cyberpunk: 2077”, parecerem muito sem graça e genéricas em comparação.

Por último, mas não menos importante, estão os personagens. Eu li vários livros recentemente com personagens bem sem graça que meio que se misturam. É uma tendência infeliz no gênero de “livros aleatórios que comprei nas livrarias porque gostei da capa”.

Esse não é o caso do Neuromancer. Case, Molly, (chefe) e todos os outros personagens se sentem adequadamente distintos um do outro, com personalidades desenvolvidas. Por exemplo, há até um momento engraçado em que um monte de personagens está amontoado em um elevador, e a vilã femme-fatal começa a se incomodar com Case para irritá-lo. É tudo muito dentro do personagem, e você tem uma boa ideia de como cada um é.

O que eu não gostei

Como eu sugeri em algum lugar acima, há pedaços dessa história que são como uma viagem de ácido ruim (ou pelo menos, o que eu imagino que seria uma viagem de ácido). Há partes da história em que olhei para a página e perguntei: “Espere… por que isso está acontecendo?”

Embora a prosa seja geralmente bastante descritiva e evocativa, pode ser meio difícil seguir o quem e o porquê da trama. Por exemplo, tem toda essa subtrama com a namorada de Case (?), que é drogada e morre cedo. O caso quase na primeira página nega estar em um relacionamento com ela, então se mostra frio com ela, então tem um tipo de coisa de amigos com benefícios acontecendo, então ela morre, e ele tem todo esse colapso mental sobre isso, e é estranhas.

O que torna ainda mais estranho é que Case e Molly basicamente começamseusrelacionamento quase imediatamente após o encontro, sem qualquer tipo de construção ou química ou preâmbulo. Na verdade, começa enquanto Case está se recuperando de sua cirurgia. Quero dizer, considerando a enorme quantidade de drogas e álcool que Case consumiu na história, Case obviamente não é o tipo de cara que toma as melhores decisões sobre seu próprio bem-estar - mas ele estava se recuperando decirurgia na coluna. Talvez eu esteja exagerando, mas senti que todo o relacionamento de Case (com qualquer mulher) é meio que do nada, massuperrelevantes em toda a trama.

Outra coisa que foi estranha olhando para trás foi todo um prenúncio onde Case cresce para odiar seu chefe secreto (que foi revelado neste ponto da história). Case finalmente tem uma conversa com o chefe, que diz a ele que está tudo bem, e Case tem que odiaralguématé o final da história como parte do plano super-especial-secreto. A necessidade desse ódio nunca se materializa, porém, pelo que me lembro, porque o clímax do livro se resume a uma simples sequência de donzela em perigo, seguida por uma sequência de sonho, seguida por uma linha que diz que Case nunca recebe a garota em o fim.

Então, ou o final é realmente trágico e poético de uma forma que estou perdendo, ou é tudo apenas um absurdo miserável.

Um detalhe final que tenho é como William Gibson descreve Case. Ou mais precisamente, não. A personalidade de Case está em plena exibição, pois toda a história acontece da perspectiva de Case, e podemos ver dentro de sua cabeça o tempo todo. No entanto, a descrição física real de Case é deixada mais ou menos vaga, e quando é descrita, a única característica que parece ser atribuída a Case é “média”. Basicamente, ele é um cara branco de aparência “média” que, de outra forma, parece um viciado em drogas desnutrido. Ele é alto? Ele é baixo? Cabelo castanho? Mandíbula forte? Cicatrizes? Brincos? Nenhuma idéia.

Conclusão

Então a linha de fundo é, é Neuromante Vale a pena ler? E a resposta é…tipo de. Neuromancer é um livro muito estranho com muitas coisas definidoras de gênero e uma prosa muito descritiva. É definitivamentecyberpunk.

Por outro lado, o livro nunca me prendeu tanto quanto minhas histórias favoritas. Talvez seja por causa da idade do livro. Talvez seja porque eu sou um pouco esnobe de livros que tem o privilégio de viver no mundo moderno com qualquer livro que eu queira na ponta dos dedos. Não sei.

A força de Neuromancer está primeiro em sua construção de mundo, depois em seus personagens e depois em seu enredo. Naquela ordem. Embora eu gostasse dos personagens, e os personagens estivessem longe de serem os piores que eu já li, ainda havia algo que não mexeu comigo neles.

Ao mesmo tempo, existem elementos legais suficientes em Neuromancer que não estão em muitos cyberpunks recentes que o fazem se destacar por conta própria. Suponho que, no final das contas, se você é o tipo de leitor que gosta de ficção científica e terror mais antigos, como Issac Asimov ou H.P. As histórias de Lovecraft, vale a pena ler.

10/07 Um pouco nicho, um pouco escuro, um pouco estranho. Cyberpunk de ponta a ponta.