HTCinside


Como este telescópio tirou as imagens mais detalhadas do sol

O Sol foi notícia recentemente. Ele acaba de revelar uma das maiores maravilhas da tecnologia sendo implementada para estudar o espaço sideral. Trata-se de ver a superfície do Sol à distância mais próxima possível já feita pela humanidade. Isso, portanto, torna a mídia a imagem mais detalhada do Sol que já existiu.

O vídeo viral que vemos da superfície do Sol vem de um telescópio recém-construído no Havaí. O Telescópio Solar Daniel K. Inouye localizado na montanha Haleakala, em Maui, no Havaí, acredita-se que seja um dos maiores e mais poderosos telescópios existentes, e já vemos o porquê.

Uma vez que o telescópio tenha sido totalmente comissionado, ele se propõe a estudar o poderoso campo magnético e entender mais sobre o behaviorismo do Sol.

Para o vídeo que gravou, o telescópio observou o Sol por um período inteiro de dez minutos. O estouro que vemos no vídeo é na verdade o plasma subindo e descendo na superfície do Sol. Os pontos brilhantes são onde o plasma está subindo, e as linhas mais escuras ao redor são onde o plasma está esfriando à medida que se retrai.

O vídeo é de tão alta resolução e tão perto do Sol, que os detalhes que vemos têm apenas 18 milhas de diâmetro. Mesmo assim, isso ainda está muito longe, porque cada uma dessas células das quais o plasma estourou no vídeo é, em escala real, do tamanho do Texas, com toda a área coberta sendo 18.800 milhas por 6.700 milhas.

Um diretor de programa da Divisão de Ciências Astronômicas da National Science Foundation é citado como tendo dito “O Telescópio Solar Inouye coletará mais informações sobre nosso Sol durante os primeiros cinco anos de sua vida do que todos os dados solares coletados desde que Galileu apontou um telescópio para o Sol pela primeira vez em 1612.”

Então, para que a saída seja tão inovadora na ciência solar, o que é o Telescópio Solar Daniel K. Inouye e quão poderoso ele foi criado para ser?

O telescópio também era conhecido como Telescópio Solar de Tecnologia Avançada até 2013, quando foi alterado para Daniel K. Inouye, em homenagem a um senador dos EUA pelo Havaí. Houve o envolvimento de cerca de vinte e duas instituições colaborando na construção do telescópio, financiado pela National Science Foundation dos EUA. O telescópio é gerenciado pelo Observatório Solar Nacional.

A construção do telescópio é inspirada no Telescópio Gregoriano, que é uma espécie de telescópio refletor construído pela primeira vez no século XVII. O Daniel Inouye também é um telescópio óptico solar, o que significa que visa coletar e focalizar a luz da parte visível do espectro eletromagnético que auxilia na criação de uma imagem ampliada que pode ser vista diretamente como uma fotografia, e permite aos cientistas para coletar dados por meio de sensores eletrônicos de imagem.

Embora a construção do telescópio tenha sido concluída em 2013, o telescópio alcançou o First Light apenas em dezembro de 2019. FirstLight é quando um telescópio é usado pela primeira vez para tirar uma foto astronômica depois de construído. O tempo intermediário foi gasto ajustando e retificando o telescópio conforme necessário. O telescópio está programado para observações científicas de rotina a partir de julho de 2020.

Então, quão poderoso é este telescópio? Bem, de acordo com o Observatório Solar Nacional, o telescópio pode observar o Sol em ação em comprimentos de onda do infravermelho próximo. Ele vem equipado com um espelho primário de 4,24 metros que o torna o maior telescópio solar do mundo. Além disso, a óptica adaptativa integrada no telescópio torna as imagens mais nítidas, pois corrige distorções atmosféricas e desfoques que podem ocorrer ao estudar imagens solares. Isso resulta na saída de resoluções mais altas, tornando os estudos de características no Sol tão pequenos quanto 20 quilômetros possíveis.

Ler -Por que CPUs de nível espacial são lentas? (MarsRover usou CPU de 200 MHz)

O telescópio Daniel K. Inouye acoplado ao observatório Solar Orbiter (SolO) que está programado para ser lançado em Cabo Canaveral, Flórida, em breve tornará os estudos solares extremamente empolgantes. SolO é um esforço conjunto europeu-americano para entender a física do Sol também. SolO vai tirar fotos da distância mais próxima já conhecida pela humanidade – cerca de 42 milhões de quilômetros da superfície. A tecnologia a bordo permitiria ver características tão pequenas quanto 70 quilômetros de diâmetro, mas detectar comprimentos de onda muito mais amplos do que o telescópio Inouye.

Portanto, em suma, a astronomia e a astrofísica estão repletas de entusiasmo com os novos avanços e descobertas trazidos no passado recente e sendo planejados para o futuro próximo.